Search

Content

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Você é uma vaca?

Pra quê comprar a vaca se você pode ter o leite de graça?


Suponho que você deve estar familiarizado/a com essa frase. Pelas dúvidas, explico: basicamente, o significado dela é “porque casar/ter uma relação séria com uma mulher, se você pode fazer sexo com ela sem se comprometer?”



É verdade. Soa horrível? Yes. Mas é a pura verdade. Muitos homens pensam assim, e eles tem razão. Na verdade, muitas mulheres também acreditam nisso, e usam o sexo como arma – ou, melhor dito, usam a negação do sexo como método de barganha. O que é igualmente horrível.



Vivemos num mundo machista e patriarcal, isso é fato. Apesar de todos os sutiãs queimados, de todas as liberações e de todos os metro-sexuais, “it’s a men’s world”. Mas o que me interessa hoje, para efeitos deste post, não é o machismo, mas sim uma questão mais espinhosa:



Você é uma vaca?



Antes de me responder indignada “CLARO QUE NÃO!!!!”, pense um pouco. Eu sei que você não é um quadrúpede ruminante (se for, por favor, me contrate como agente e seremos ricas). Vamos reformular a pergunta:



Você é o tipo de mulher que os homens vêem como vaca? Uma mulher que só desperta interesse sexual, da qual eles desejam se livrar o mais rápido possível depois de “tomar o Nescau”? Os homens da sua vida costumam tomar chá de sumiço depois de dividir os lençóis com você?(não vale se ele for do signo de gêmeos kkk) O “amor da sua vida” não quer se comprometer nem com reza brava (seja que comprometer-se signifique assumir você como namorada, seja casar, e qualquer coisa entre esses dois extremos)?



Caso a resposta seja SIM, eu tenho novidades pra você. A culpa é sua. Única e exclusivamente sua. Ser vista e tratada como vaca pode ter duas razões:



1 – Você é uma vaca. Você não tem nada a oferecer além de sexo. Você é chata, desinteressante, maniática, controladora, sem noção, burra e/ou qualquer outra coisa do gênero. Ou todas as opções acima.



2 – Você não é uma vaca, mas se comporta como vaca e aceita ser tratada como tal. Esse comportamento pode ter várias razões, desde medo a ficar sozinha, até falta de auto-estima e auto-confiança, passando pela eterna ilusão de que “ele vai mudar, um dia ele vai perceber como eu sou maravilhosa e vai largar tudo para ficar comigo”.



Em qualquer dos dois casos, a culpa, a responsabilidade, a origem do problema é você mesma. E a solução, claro está, só pode vir de você mesma.



Para problema do tipo 1 - Se você é uma vaca, bem, filha, você precisa aprender a ser gente. Se você não tem nada de bom ou interessante para oferecer, porquê alguém se interessaria por você, ou pensaria em ter um compromisso com você? E não estou falando do compromisso tradicional, casar, papel passado, etc e tal. Estou falando de manter uma relação adulta, madura e satisfatória, quaisquer sejam os termos dessa relação.



Para problema do tipo 2 - Se você não é uma vaca, mas se comporta como tal… Pare de se comportar assim, oras. E não aceite nada menos do que o respeito e a consideração que você merece.



Antes que você comece a se lamuriar dizendo “Homem não presta”, “Eles só pensam em transar” e ladainhas do gênero, preste atenção: cafajestes e imbecis existem aos montes. Mas também existem muitos homens inteligentes, interessantes e que valorizam uma mulher de verdade, mulher interessante, bem resolvida e inteligente.



No entanto, homens são homens. Se você se apresenta como “sexo fácil” e “diversão descompromissada”, eles não vão procurar nada mais do que isso – ele não vai se perguntar “Será que ela tem algo mais a oferecer? Será que ela vale à pena?” Ele vai aproveitar o sexo fácil e pronto. O homem dança conforme a música que a mulher toca.



E se você está pensando “Mas o Armando Rodolfo não dança conforme a minha música”, a resposta é MUITO SIMPLES: dê saída para o Armando Rodolfo e procure outro parceiro de baile.



Enquanto você não tomar vergonha na cara e se valorizar, se assumir como mulher digna de respeito, atenção e tudo mais, vai continuar de quatro no ato, às vezes até sem direto a replay.



O grande problema não é que os homens estão errados, é que as mulheres insistem em escolher os homens errados.


fonte-internet

2 comentários:

Anônimo
at: quarta-feira, outubro 14, 2009 disse...

Bom! Sexo é sempre um assunto interessante, polêmico e, é claro, gostoso. Pricipalmente se sair do blá,blá,blá.

A um tempo atrás tinha uma propaganda - se não me engano de cerveja nobel - em que uma mulher dizia que se um homem não ligasse para ela depois de uma noite de sexo tinha um só motivo: ela tinha entregue o número errado para o cidadão.

Às vezes nos esquecemos que somos seres impulsionados, não somente, mas também, pelo prezer e isso inclui o sexual.

Às vezes também nos esquecemos que que, ao longo de toda a história, as mulhres foram reprimidas no que diz respeito aos desejos sexuias.

A realidade é diversa, multipla. Hoje as mulheres estão conquistando, aos poucos e a duras penas, o seu lugar ao sol. E, nesse lugar, também tem um espaçozinho para o sexo e, por vezes, esse pode ser, deliberadamente, do tipo descompromissado. E daí?!! Isso não vai metamorfosear essa mulher um nemhum aminal, quer seja voca, galinha, piranha. Se assim o fosse, a masturbação faria o mundo intero ( homem, mulher, não importa) ser um um Ser promíscuo, pevertido, um verdadeiro animal, enfim, já que masturbação é a idialização de ato sexual e nassa idealização os(as) perceiros(as) são os mais variados .

Assim, sejamos felizes, com um perceiro(a), com várias(os),não importa. façamos igual a música: "ter saúde pra gozar no final".

Marluce Moura says:
at: quarta-feira, outubro 14, 2009 disse...

Esse comentario tem um sabor especial, rs é o primeiro feito por Milton, um homem inteligente q não poderia deixar de dar a sua opinião aqui. Estou muito feliz!!!
Espero q seja o primeiro de muitos . xeirooooo

Postar um comentário

Deixe o seu comentário

Arquivo do blog

Total de visualizações de página

Quem sou eu

Minha foto

Feirense, graduada em Administração, e artista plástica  especialista no desenho retrato com uma abordagem realista e sóbria, que utiliza exclusivamente a técnica do pastel, iniciou nas artes ainda na infância tem como foco fundamental a expressão dos rostos, seus temperamentos e a psicologia da expressão, a tradução de um sentimento, de uma emoção fugidia e instantânea. Começou a expor em 1996 após concluir o curso no Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), é uma das fundadoras do Grupo de Arte contemporânea de Feira de Santana, pesquisadora da arte rupestre com exposição desse tema em 2007, e amante da arte contemporânea, na qual aborda temas polêmicos.
"Só me dirijo às pessoas capazes de me entender, e essas poderão ler-me sem
perigo."Marquês de sade

Seguidores

Redes