Search

Content

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Meu baú

MEUS 15 ANOS >>>
Meus amigos, fui visitar o meu Pai na casa dele e encontrei no meu antigo quarto meu caderno de recordações, kkkk muito usado naquela época, sem falar nos papeis de cartas. Para quem não sabe, os papeis de cartas não era para escrever cartas e sim colecionar em uma pasta. kkkk ( que viajem )
******** Olha a minha cara fechada na foto, era o meu niver rsrs completava 15 anos neste dia. Nunca curtir festa de 15 anos, preferir ganhar outra coisa. O que me marcou nesta data , foi a briga que teve na minha casa para eu não vestir este vestido da foto.( tinha que me vestir como uma freira ) kkkk
Imagine você, que não me deixavam nem usar biquini. e foi nesta festa que eu namorei pela primeira vez.
>>>>>> OLHA SÓ COMO EU ME DESCREVIA NA ÉPOCA QUEM SOU EU? >>>>> ô gente que bonitinho!!!! Já era doidinha nessa época rsrsrsrrsr (que mico),"MEU BAUZINHO DE MEMORIAS" dessa época eu só gostaria de ter o corpo kkkkkkkkk obs:: Hoje eu não me troco por duas de 15. Sinistro isso

SOU UMA PESSOA UM TANTO TRISTE,SOLITARIA SENSÍVEL, COMPREENSIVA,MAIS DIFÍCIL DE SER COMPREENDIDA. OTIMISTA AS VEZES, CONSERVO O PESSIMISMO, POR PENSAR NA IDEIA DE NINGUÉM COMPRENDER-ME. ROMÂNTICA, SEMPRE NA ESPERANÇA DE ENCONTRAR ALGUEM QUE CORRESPONDA AOS MEUS MAIS PUROS SENTIMENTOS>.

9 comentários:

forronocem says:
at: sexta-feira, agosto 21, 2009 disse...

TIA E TIO LHE EDUCARAM MUITO BEM. RSRS PRISÃO TOTAL , ELES NÃO QUERIAM NEM QUE VOCÊ TIVESSE AMIZADES IMAGINE NAMORADO OU USAR ROUPAS CURTAS. RSRSRS

forronocem says:
at: sexta-feira, agosto 21, 2009 disse...

MARLUCE, NÃO TIRA OS TEXTOS NÃO, TEM UNS QUE DEIXO PARA LER DEPOIS QUANDO PROCURO NÃO ACHO MAIS.ABRAÇÃO

Anônimo
at: sexta-feira, agosto 21, 2009 disse...

uhuhuh Que corpão é esse hein amiga??????

Valdir says:
at: sexta-feira, agosto 21, 2009 disse...

Menina,porque vc náo participou do concurso da nova morena do tchan....

raimundo says:
at: sexta-feira, agosto 21, 2009 disse...

Me lembro muito bem do seu caderno de recordações

Marluce linykeer says:
at: sexta-feira, agosto 21, 2009 disse...

O que eu escrevo depende do meu estado de espirito, respondendo a sua pergunta joão, se passar um dia sem entrar no blog quando retornar possa ser que ele nem exista mais imagine os post.... kkkkkkkkkkk

Marluce linykeer says:
at: sexta-feira, agosto 21, 2009 disse...

hoje mesmo so estou sentindo vontade de falar da minha mãe,estou me controlando senao eu me acabo de chorar pensando nela...

rusti pereira says:
at: sábado, agosto 22, 2009 disse...

o mundo q existe dentro de nos mesmo, nos surprende com passar do tempo!
incrivel como podemos ser tao puro e inocentes. incrivel como podemos ser credulos e incredulos ao mesmo tempo.
incrivel como em certo momemto de nossas vidas somos guiados pela nossas companhias:-incrivel como as vezes beiramos irracionalidade e nos tornamos tao solitarios.
incrivel como vc se tornou uma pessoinha tao ¨¨*gostosa¨¨ em sua existencia.
obs: *gostosa= pessoa maravilhosa de se conversae, viver.

ps: como gostaria de conviver com tanta riquesa incondicional. simplesmentes maravilhosa marluce, beijos

Marluce Moura says:
at: domingo, agosto 23, 2009 disse...

Obrigada Rusti, por entrar no meu blog não te conheço, mais fico feliz por saber que gosta do que eu escrevo.

Postar um comentário

Deixe o seu comentário

Arquivo do blog

Total de visualizações de página

Quem sou eu

Minha foto

Feirense, graduada em Administração, e artista plástica  especialista no desenho retrato com uma abordagem realista e sóbria, que utiliza exclusivamente a técnica do pastel, iniciou nas artes ainda na infância tem como foco fundamental a expressão dos rostos, seus temperamentos e a psicologia da expressão, a tradução de um sentimento, de uma emoção fugidia e instantânea. Começou a expor em 1996 após concluir o curso no Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), é uma das fundadoras do Grupo de Arte contemporânea de Feira de Santana, pesquisadora da arte rupestre com exposição desse tema em 2007, e amante da arte contemporânea, na qual aborda temas polêmicos.
"Só me dirijo às pessoas capazes de me entender, e essas poderão ler-me sem
perigo."Marquês de sade

Seguidores

Redes