Search

Content

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Se dê uma chance!

Quando conhecemos alguem que nos interessa começamos com a mania de idealizar o outro e o amor, de querer garantir que tudo se desenrole com perfeição, e termina estragando o que mal começou. Claro! Esta urgência que é alimentada internamente e, na maioria das vezes, inconscientemente, transforma-se em insegurança e, por conseguinte, em cobrança, em pressão e em necessidades exageradas. Enfim, transforma-se em tensão, peso, chatice. O que deveria ser um tempo de prazer, leveza, diversão e muita conversa, tempo de conhecerem-se melhor e rirem juntos de si mesmos e da vida, passa a provocar em ambos a impressão de que estão vivendo numa contagem regressiva para um relacionamento tradicional. (que ninguem aguenta mais kkk)


Assim não dá! Não há quem aguente por muito tempo.

E o final dessa história é aquela triste sensação de que tinham tudo para dar certo, mas não se sabe por que, deu errado. Será que não é hora de parar e refletir sobre o quanto você está confiando em si mesmo, na vida e no fluxo do universo? Será que você não está criando qualidades e vendo coisas que nem existem? Será que o outro é real ou é invenção da sua cabeça? Sim, porque tem gente que, de tão ansiosa, (kkkkk MARLUCE MOURA) termina enxergando príncipes onde só existem pessoas. Pessoas normais, imperfeitas, com seus medos e desejos, que têm limites e se assustam com tantas idealizações e expectativas. O que todos querem, no final das contas, é apenas uma chance para ser feliz.

Sim, eu sei. Na teoria, é exatamente isso que você quer também! Mas é preciso agir, na prática, com essa mesma lógica. Se você quer uma chance, se dê uma chance! Se você quer ser feliz, aja como quem é feliz. Se você quer que essa relação dê certo, pare de tentar acelerar os acontecimentos e deixe rolar!

Isso! Deixe rolar, deixe acontecer, vá se colocando aos poucos, falando sobre você, o que sente e quer. Pare de transformar essa possibilidade numa espécie de ameaça. Senão, em vez de ser feliz, você e a pessoa amada conseguirão apenas viver à beira de um ataque de nervos! E amor não tem nada a ver com isso...

(kkkk ta parecendo que estou escrevendo pra mim mesma kkkk (rindo alto)) Deixa eu concluir.

Sendo assim, relacionar-se é um exercício, uma possibilidade, um risco, uma tentativa. E é justamente por saber disso que muitas pessoas se deixam afogar pelo medo de que as coisas não aconteçam como elas gostariam.

Arquivo do blog

Total de visualizações de página

Quem sou eu

Minha foto

Feirense, graduada em Administração, e artista plástica  especialista no desenho retrato com uma abordagem realista e sóbria, que utiliza exclusivamente a técnica do pastel, iniciou nas artes ainda na infância tem como foco fundamental a expressão dos rostos, seus temperamentos e a psicologia da expressão, a tradução de um sentimento, de uma emoção fugidia e instantânea. Começou a expor em 1996 após concluir o curso no Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), é uma das fundadoras do Grupo de Arte contemporânea de Feira de Santana, pesquisadora da arte rupestre com exposição desse tema em 2007, e amante da arte contemporânea, na qual aborda temas polêmicos.
"Só me dirijo às pessoas capazes de me entender, e essas poderão ler-me sem
perigo."Marquês de sade

Seguidores

Redes